Assunto: Transplante Renal  (1)

 
O que é Transplante Renal?

O transplante renal é o procedimento médico-cirúrgico no qual um rim, que anteriormente era de outra pessoa (doador), é colocado em um indivíduo cujos rins não funcionam mais (receptor). Este rim passa a desempenhar todas as funções que os rins originais não são mais capazes de fazer.

 

 
Quem pode ser doador?
 

Pode haver três tipos de doadores.
Um deles é o doador vivo relacionado, ou seja, um parente (avós, pai, mãe, irmãos, irmãs, filhos, tios, sobrinhos, primos até segundo grau, inclusive cônjuges), maior de idade e capaz, que durante a sua vida doa, gratuitamente, um de seus rins ao paciente.
Outro tipo é o doador vivo não relacionado, que é o indivíduo que não tem nenhum dos graus de parentescos definidos acima e que, sendo maior e capaz perante a lei, decide espontaneamente, sem coação e sem remuneração financeira, doar um de seus rins a outra pessoa. Este tipo de doação só é autorizada mediante autorização judicial.
Nestes dois casos acima o doador tem que ser pessoa saudável, sem doenças, comprovada através de avaliação médica e laboratorial.
Outro tipo de doador é o doador cadáver. Neste caso o doador é uma pessoa que está em morte encefálica e cuja família autorizou a equipe médica a realizar a retirada de órgãos para transplante.

 

Qual a importância do tipo de sangue para o transplante?

Só pode haver transplante se houver compatibilidade do tipo de sangue entre o doador e o receptor, ou seja:

 

Qual o melhor doador?

O melhor doador é aquele que, além da compatibilidade do tipo de sangue, tem os antígenos de histocompatibilidade mais semelhantes ao receptor. Esses antígenos são determinados através de um exame de sangue que se chama tipagem HLA.
Assim, o melhor doador são irmãos gêmeos univitelinos. Porém é pouco freqüente encontrar pacientes com este tipo de doador.
Em segundo lugar, vem irmãos e/ou irmãs com antígenos de histocompatibilidade idênticos.
Depois vem irmãos que possuem 50% dos antígenos de histocompatibilidade iguais ao receptor, e os pais.
Em seguida vem o doador cadáver.

 

Se eu não tiver ninguém na família em condições de doar um rim, o que posso fazer?

Não havendo  possibilidade de transplante com doador vivo relacionado, você pode após fazer a avaliação pré-transplante entrar na lista de espera para transplante com doador cadáver. Caso isto aconteça, será colhido uma amostra de soro sua a cada dois meses, que será encaminhada ao laboratório de imunogenética.
Se aparecer um doador cadáver com a mesma tipagem sanguínea que a sua, seu soro servirá para a realização da prova cruzada, com células do doador cadáver, para verificar se o seu organismo "aceitaria" o novo rim.

 

Todos pacientes com insuficiência renal crônica são candidatos a transplante renal?

Não. Pacientes que tiveram câncer, pacientes com infecções, pacientes com doença grave do fígado, não podem fazer transplante. Porém cada caso é analisado individualmente. Converse com a equipe sobre o assunto.

 

Quais são as vantagens de um transplante de rim?

O transplante de rim oferece aos pacientes em diálise a chance de uma maior independência e melhor qualidade de vida. A diálise oferece uma substituição incompleta da função renal, enquanto que o transplante oferece a possibilidade de uma função renal plena.
Você será capaz de retornar a uma dieta mais próxima do normal e a beber líquidos de forma mais liberal. Tornar-se-á um participante ativo nas atividades físicas e terá maior autonomia na vida diária. Por último, não será mais dependente da diálise para seu bem estar. Porém o acompanhamento médico será sempre constante.

 

Quais são as desvantagens de um transplante renal?

O paciente que se submete ao transplante necessita de cuidados médicos contínuos e estará exposto a determinados riscos:

 

Há algum limite de idade para o paciente que desejar se submeter um transplante?

Geralmente não se transplanta pacientes com mais de 70 anos, mas pergunte ao médico sobre isso, caso sua idade for superior.

 

Por que é necessário tomar medicamentos especiais quando for transplantado?

Seu organismo tem um sistema muito complexo (sistema imunológico) que reage contra órgãos estranhos introduzidos nele. É um sistema protetor contra infecções, mas infelizmente trabalha contra no caso de transplante. Como o rim transplantado é reconhecido como "estranho", pois ele veio de outra pessoa, seu organismo reagirá contra o rim e tentará destruí-lo, a menos que seja dada uma medicação para diminuir essa reação. Tais medicamentos são chamados de medicamentos imunossupressores.

 

Quais são os medicamentos inunossupressores?

Geralmente o paciente que recebe um transplante renal toma três medicamentos imunossupressores: prednisona, azatioprina e ciclosporina. A dose e a combinação destes três remédios varia de acordo com o peso do paciente e sua condição clínica.

Medicamento Freqüência da Dosagem Efeitos Colaterais
Prednisona ou Merticorten®
(tipo de corticóide)
Tomada pela manhã

Aumento de apetite, aumento da quantidade de gordura no rosto e nas costas, aparecimento de acne, retenção de líquidos, hipertensão arterial e podendo desencadear diabetes mellitus

Azatioprina ou Sandinum® Geralmente ingerida à noite

Problemas no fígado (icterícia ou amarelão) e diminuição dos leucócitos (células brancas do sangue)

Azatioprina ou Cellcept® (novo) Duas vezes ao dia Diarréia em alguns pacientes
Ciclosporina ou Sandinum® Duas vezes ao dia, a cada 12 horas

Hipertensão arterial, retenção de líquidos, elevação da creatina do sangue, tremores, aumento da gengiva, aumento no crescimento de pêlos e cabelos

Todos estes  medicamentos deixam o organismo mais suscetível a infecções e tumores, por isso você fica internado no momento do transplante em regime de isolamento, para não pegar infecções de outros pacientes, e terá sua temperatura medida várias vezes ao dia.

 

Terei que tomar os medicamentos imunossupressores para sempre?

Sim, nas primeiras semanas em dose mais alta, depois, ao longo do tempo, a dose de cada um dos medicamentos vai diminuir, porém você sempre vai precisar tomá-los, do contrário o seu rim transplantado será rejeitado pelo seu organismo, necessitando de retorno à diálise.

Próxima Página