Segmento dos deferentes retirados numa vesectomia bilateral

Vasectomia é a ligadura ( seção e ligadura ) de ambos os ductos deferentes (canais que levam o esperma dos testículos até as vesículas seminais) com finalidade de impedir o trânsito de secreções neste sentido, desta maneira tornando o homem estéril. É usada amplamente como método anticoncepcional definitivo, frise-se aqui, definitivo. Normalmente o urologista é procurado pelo homem, mas deve sempre que possível reunir o casal para discutir a indicação deste procedimento. O indivíduo que procura a vasectomia como método "temporário", que não tenha um relacionamento familiar harmônico, casal ainda muito jovem com apenas um filho, deve ser descartado. Os resultados da reversão cirúrgica cirúrgica (recanalização dos deferentes) giram em torno de 30% a 40% decorridos mais de cinco anos da vasectomia. É entretanto a reversão cirúrgica (vasovasostomia), a conduta de escolha quando o cliente quer um filho legítimo, devendo ser tentada antes dos métodos de fecundação artificial. Mesmo que a gravidez seja difícil, pelo menos na ejaculação haverá espermatozóides mais "maduros" para uma eventual tentativa "in vitro" (artificial). A coleta de espermatozóides no epidídimo (imaturos, não capacitados) é ainda muito discutida e estudada. Lembro aqui que a fecundação do óvulo só ocorre, após o fenômeno de "capacitação" do espermatozóide, que acontece apenas durante sua migração pela vagina e pela trompa. Tal fenômeno ainda não foi reproduzido em laboratório. Infelizmente, a pílula masculina como é chamada, é ainda bastante maléfica, acarretando sérios problemas sobre a potência do indivíduo e sobre a incidência do câncer de próstata.

Existem aspectos religiosos e legais da vasectomia que devem ser melhor discutidos com o urologista no momento da consulta.

Resumindo, quando preenchidos certos parâmetros e técnica correta utilizada, a vasectomia é um sucesso. Habitualmente é realizada em caráter ambulatorial  e com anestesia local, mas nada impede que seja realizada associada a outro procedimento cirúrgico maior, com anestesia geral ou bloqueio anestésico.  Existem ainda alguns tabus sobre esta cirurgia, como engordar, aumento da potência sexual, câncer de próstata, reversão cirúrgica, etc., que devem ser melhor discutidos no consultório.

Complicações

As complicações cirúrgicas seriam os hematomas, infecções (orquites e epididimites ou ambas), edema, dor/sensibilidade local, extrusão dos fios (dificuldade em absorver ou reação alérgica aos fios), hidrocele (coleção líquida na bolsa escrotal), etc. todas elas, advindas da manipulação cirúrgica dos cordões espermáticos e dos deferentes.

Uma "gravidez" não pode ser considerada uma "complicação" de uma vasectomia e sim um fato possível, mas muito, muito improvável. Um percentual em torno de 1% das vasectomias tem REVERSÃO ESPONTÂNEA e IMPREVISÍVEL do ponto de vista médico, que ocorrem após a azoospermia (ausência de espermatozóides) laboratorial. No caso (igualmente raro) de duplicidade dos deferentes, o espermograma pode até negativar (azoospermia) até o canal acessório se transformar em principal, pela ligadura dos principais. Uma vez patente (permeáveis), os ductos acessórios vão positivar o espermograma, devolvendo a fertilidade ao homem. Este item reforça que apenas a abstinência sexual é a única forma 100% garantida de contracepção, excluindo-se aqui a gravidez assistida, onde não há coito. Por questões ainda não esclarecidas completamente como, por exemplo um organismo que pode ter o metabolismo acelerado dos fios utilizados nas ligaduras dos cotos dos deferentes, absorvendo-os antes do previsto e recanalizando as extremidades, dando saída aos espermatozóides. Esta "digestão dos fios" acontece por meses a fio e se chama "granuloma de corpo estranho" que se forma normalmente nos deferentes operados, e nada mais é do que uma tentativa do corpo de neutralizar aquela agressão digerindo os fios. Isto, aliado ao grande poder de regeneração dos deferentes, pode numa absorção precoce, recanalizar os ductos, devolvendo ao homem sua fertilidade. Quem pensa em submeter-se à vasectomia, deve ter isto em mente.

Ao médico, que obteve o êxito na cirurgia proposta evidenciado pela azoospermia laboratorial, não pode ser imputado a culpa pela reversão espontânea, pois ocorre nesta pequena porcentagem sem que seja previsível.
 

Vasectomia Bilateral

 

Vasectomia é a ligadura do ducto (canal) deferente. Deve ser bilateral quando se quer contracepção cirúrgica definitiva do homem.  Pode também ser uni ou bilateral nos casos de infecção de repetição em um ou ambos os testículos, como representado no balão da direita da figura ao lado.

Realizada habitualmente sob anestesia local.

Vasovasostomia  é a reversão cirúrgica da Vasectomia - É a recanalização dos deferentes por meio de microcirurgia com auxílio de lentes potentes e fios absorvíveis muito finos, como se vê no balão da esquerdo da figura ao lado.

Realizada habitualmente sob anestesia espinhal (bloqueio anestésico).